Filiado do DEM ameaça Camasão: “Cuidado pra não levar um tiro”

Camasão e a equipe estavam a caminho do Parque de Coqueiros, quando um Ford Ka branco, placas OKE 8698, emparelhou em uma sinaleira e começou a disparar ofensas e ameaças.

12 out 2020, 11:01
Filiado do DEM ameaça Camasão: “Cuidado pra não levar um tiro”

O servidor público Francisco Fermínio Laureano agrediu e ameaçou o candidato a vereador Leonel Camasão na manhã deste domingo (11/10), no cruzamento da Avenida Hercílio Luz com a Gustavo Richard, no centro da capital.

Por volta das 9h20 da manhã, Camasão e a equipe estavam a caminho do Parque de Coqueiros, quando um Ford Ka branco, placas OKE 8698, emparelhou em uma sinaleira e começou a disparar ofensas e ameaças.

O funcionário público é filiado ao Democratas, partido do atual Prefeito Gean Loureiro, há 17 anos. “Cuidado para não levar um tiro”, ameaçou, aos berros, de dentro do seu veículo.

Laureano também fez agressões homofóbicas. “Viado! Seu Viado! Vocês vem para Florianópolis para dar o c*!”, berrou.

O vigia também ameaçou, por duas vezes, jogar o seu veículo contra o carro onde Camasão e equipe estavam. Ele ainda escarrou e cuspiu em direção ao candidato, mas errou.

A página no Facebook de Laureano é repleta de publicações pró-Bolsonaro, Olavo de Carvalho, Roberto Jefferson e companhia. Após a grande repercussão do caso nas redes sociais, ele deletou seu perfil.

Identificação

Parte da agressão de Laureano a Camasão foi filmada com aparelhos celulares. O candidato divulgou a placa do carro em suas redes. Um apoiador, voluntariamente, pagou um serviço de identificação do proprietário do veículo pela internet e mandou a ficha do Ford Ka para o candidato.

Com nome e CPF em mãos, a equipe de Camasão conseguiu identificar as redes sociais, cargo ocupado na Prefeitura de Florianópolis, filiação partidária, entre outras informações, que serão utilizadas em um processo por danos morais.

Além disso, Camasão acionou a Polícia Militar, no momento do fato, e ainda, registrou um boletim de ocorrência na Polícia Civil, para que Laureano seja processado criminalmente pelos crimes de ameaça e injúria racial (homofobia).

“Não podemos permitir que o discurso de ódio saia impune. Tomaremos todas as medidas legais contra Laureano, para que este tipo de ameaça nãp se repita”, afirmou.

Centenas de pessoas se solidarizaram com o candidato nas redes sociais.